Segurança no trabalho pode diminuir acidentes em 98%
4 hábitos para melhorar o rendimento no trabalho
Trabalho em altura: uso de equipamentos seguros e compatíveis às funções
Saúde no ambiente de trabalho: alergia
Prevenção é a principal maneira de combater a LER/DORT
Medicina do trabalho pode reduzir custos com plano de saúde
Veja as regras da lei que amplia para 20 dias a licença-paternidade
Perda auditiva relacionada ao trabalho
Você conhece a síndrome do esgotamento profissional?
Doenças ocupacionais poderiam ser evitadas pelos empregadores
Análise: vinculação do adicional de insalubridade ao salário
Acidentes de trajeto representam 20% dos acidentes de trabalho
Ignorar e-mails fora do horário de trabalho garante vida mais feliz e com menos estresse, dizem psicólogos
Segunda-feira é o dia campeão de horas extras no trabalho, diz pesquisa
As 10 profissões mais estressantes para 2016
Aposentadoria, seguro-desemprego, domésticos: direitos mudaram em 2015
Equipamentos de Proteção Individual
Portaria MTPS nº 116: Regulamenta a realização dos exames toxicológicos para motoristas previsto na CLT
Confissão do trabalhador não autoriza presunção de eficácia dos EPIs
Faça seus exames médicos na Realiza!
Comunicado de Férias Coletivas
Índices do FAP com vigência em 2016 estão disponíveis para consulta
Entenda o eSocial em 10 tópicos
A ISO 9001:2015 está publicada
Treinamento de Líderes de Segurança no cliente Motormac
Em perguntas e respostas, saiba o que é meningite e como se prevenir
eSOCIAL: Forma de prestar informações relativas aos trabalhadores será simplificada e começa a mudar a partir de setembro de 2016
Previdência: Medida Provisória nº 664/2014 é convertida na Lei nº 13.135/2015
A importância da Gestão de Riscos
eSocial - Esclarecimentos sobre o PPRA e PCMSO
Terceirização de serviços em condomínios: fique atento!
Auditorias: Tensão ou Solução?
A Importância da Psicoterapia
Plano de Recuperação de áreas degradadas – PRAD
Psicoterapia para Empresas
Programa de Avaliação de Exposição à Sobrecarga Térmica
O ciclo PDCA
Sistemas de Gestão
Dia Mundial da Qualidade
E-Social – O que é e o que muda na sua empresa?
A importância da medicina e segurança do trabalho preventiva
Revisão da norma ISO 9001:2015 - Principais alterações
Cuidamos da saúde do seu colaborador!
Os danos à saúde do trabalhador decorrentes da vibração ocupacional
Dia da Ação Voluntária Cyrela
Diferenças entre Insalubridade e Periculosidade
15 dicas para prevenir acidentes no trabalho
Por que o planejamento pessoal é importante?
A importância da Consultoria no âmbito dos negócios
A importância do uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual
Grupo realiza recebe recertificação na Norma ISO 9001
NOTÍCIAS

Doenças ocupacionais poderiam ser evitadas pelos empregadores

22/02/2016

"Doenças ocupacionais poderiam ser evitadas, mas algumas empresas preferem o lucro", afirma médica e pesquisadora da Fundacentro, Maria Maeno, em entrevista à Rádio Brasil Atual. Segundo a médica sanitarista, os empregadores visam render mais, com menos trabalhadores. "As doenças ocupacionais existem há anos, e todos sabem as razões de as pessoas adoecerem. Mas a situação não muda, porque a organização de trabalho atual das empresas é a melhor para o (interesse do) capital. A preferência é render mais, com menos trabalhadores, às custas da intensificação do fluxo de trabalho e diminuição de repouso, ou seja, é menos gente fazendo mais, o que dá mais lucro."

A pesquisadora da Fundacentro também aponta que muitas doenças só agora estão sendo associadas à organização do local de trabalho, já que muitos setores empresariais tentam omitir as ocorrências. "Nós sabemos de muitos casos de empresas que nunca registravam doenças ocupacionais. Mas por meio de uma intervenção do poder público, descobre-se muitos casos de doenças ocupacionais. Então, as doenças estavam sendo escondidas, e não podemos esquecer que as empresas possuem médicos dentro delas. Ou seja, muitos deixavam de fazer os diagnósticos."

A médica ainda alerta as empresas sobre o equívoco desse procedimento. "O interesse em fazer o diagnóstico deveria ser o máximo, porque o INSS pode entrar com uma ação regressiva, e solicitar aquilo que gastou com as doenças ocupacionais. Além disso, as doenças que mais acidentam e adoecem pagam mais tributos ao Estado. Então, o INSS deveria investigar os motivos pelos quais algumas doenças ocupacionais não são aceitas pelo INSS."
Maria conta que o Ministério da Saúde e o Ministério da Previdência Social reconhecem cerca de duzentas doenças relacionadas às condições e à organização do trabalho. "São lesões por esforços repetitivos e transtornos mentais, são doenças que podem atingir qualquer trabalhador, de qualquer atividade."

Transtornos psicológicos estão crescendo cada vez mais entre os bancários, por exemplo, relata Maria. "As doenças psicológicas estão em crescimento, motivadas pela pressão de atingirem metas, usos de recursos inadequados pelos gestores, o risco da demissão, tudo isso faz com que adoeçam."

"A maior parte das doenças são aquelas que existem na população, mas que, em determinadas atividades, têm maior incidências. Por exemplo, os esforços repetitivos levam à tendinite, que afeta um grande número de pessoas mas, em determinadas categorias, como bancários e teleoperadores, o número de adoecidos é maior", explica.

Fonte: Revista Proteção