Segurança no trabalho pode diminuir acidentes em 98%
4 hábitos para melhorar o rendimento no trabalho
Trabalho em altura: uso de equipamentos seguros e compatíveis às funções
Saúde no ambiente de trabalho: alergia
Prevenção é a principal maneira de combater a LER/DORT
Medicina do trabalho pode reduzir custos com plano de saúde
Veja as regras da lei que amplia para 20 dias a licença-paternidade
Perda auditiva relacionada ao trabalho
Você conhece a síndrome do esgotamento profissional?
Doenças ocupacionais poderiam ser evitadas pelos empregadores
Análise: vinculação do adicional de insalubridade ao salário
Acidentes de trajeto representam 20% dos acidentes de trabalho
Ignorar e-mails fora do horário de trabalho garante vida mais feliz e com menos estresse, dizem psicólogos
Segunda-feira é o dia campeão de horas extras no trabalho, diz pesquisa
As 10 profissões mais estressantes para 2016
Aposentadoria, seguro-desemprego, domésticos: direitos mudaram em 2015
Equipamentos de Proteção Individual
Portaria MTPS nº 116: Regulamenta a realização dos exames toxicológicos para motoristas previsto na CLT
Confissão do trabalhador não autoriza presunção de eficácia dos EPIs
Faça seus exames médicos na Realiza!
Comunicado de Férias Coletivas
Índices do FAP com vigência em 2016 estão disponíveis para consulta
Entenda o eSocial em 10 tópicos
A ISO 9001:2015 está publicada
Treinamento de Líderes de Segurança no cliente Motormac
Em perguntas e respostas, saiba o que é meningite e como se prevenir
eSOCIAL: Forma de prestar informações relativas aos trabalhadores será simplificada e começa a mudar a partir de setembro de 2016
Previdência: Medida Provisória nº 664/2014 é convertida na Lei nº 13.135/2015
A importância da Gestão de Riscos
eSocial - Esclarecimentos sobre o PPRA e PCMSO
Terceirização de serviços em condomínios: fique atento!
Auditorias: Tensão ou Solução?
A Importância da Psicoterapia
Plano de Recuperação de áreas degradadas – PRAD
Psicoterapia para Empresas
Programa de Avaliação de Exposição à Sobrecarga Térmica
O ciclo PDCA
Sistemas de Gestão
Dia Mundial da Qualidade
E-Social – O que é e o que muda na sua empresa?
A importância da medicina e segurança do trabalho preventiva
Revisão da norma ISO 9001:2015 - Principais alterações
Cuidamos da saúde do seu colaborador!
Os danos à saúde do trabalhador decorrentes da vibração ocupacional
Dia da Ação Voluntária Cyrela
Diferenças entre Insalubridade e Periculosidade
15 dicas para prevenir acidentes no trabalho
Por que o planejamento pessoal é importante?
A importância da Consultoria no âmbito dos negócios
A importância do uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual
Grupo realiza recebe recertificação na Norma ISO 9001
NOTÍCIAS

A importância da Gestão de Riscos

16/06/2015

Devemos nos acostumar com o termo Gestão de Riscos. Isso não só pela revisão da ISO 9001:2015, mas por vários outros motivos que estão ligados diretamente a importância de agir preventivamente.

A ISO 31000:2009 apresenta o processo de gestão de riscos desta forma:

processo-gestao-de-riscos-ISO-31000

1 – Estabelecer Contexto

Nesta fase, há uma classificação se os riscos são de contexto interno ou externo que serão levados em consideração e serão definidos com base nos critérios que a própria empresa estabelece. Compreende-se como contexto externo: Cultural, social, político, legal, regulatório, financeiro, tecnológico, econômico, natural e competitivo, seja internacional, nacional, regional ou local. Já o contexto interno: Governança, estrutura organizacional, funções, responsabilidades, estratégias, capacidades compreendidas como recursos e conhecimento (ex. capital, tempo, pessoas, processos, sistemas, tecnologias), sistemas de informação, fluxos, processos, tomada de decisão, cultura da organização, modelos, etc.

Isso ajuda muito a focar melhor a definição dos riscos existentes para o seu negócio, articulando em relação aos objetivos que a empresa quer atingir. Este é muito importante, pois se você errar aqui, provavelmente irá errar também nos outros passos. Além disso, é no contexto que se define metas, objetivos, atividades, responsabilidades e métodos.

2 – Identificação de Riscos

Este é um processo de busca, reconhecimento, e descrição de riscos. É nesta fase que será gerada uma lista abrangente de riscos/perigos relacionados a possíveis eventos que possam criar, aumentar, reduzir, acelerar ou atrasar a realização dos objetivos. Envolve fontes, que podem estar no controle da organização ou não, eventos, causas e consequências.

3 – Análise do Risco

Envolve a apreciação das causas e as fontes de risco, suas consequências positivas e negativas, e a probabilidade de que essas consequências possam ocorrer, ou seja, a análise visa entender a probabilidade daquilo acontecer e o impacto que isso trará, se acontecer.

4 – Avaliação de Riscos

A avaliação é para auxiliar na tomada de decisão com base nos resultados da análise. Se a análise do risco trouxe como resultado que o risco tem probabilidade de 90% de acontecer em um impacto muito alto, a criticidade dele é alta. Ou seja, devo ter muita atenção com esse risco e gerar ações para lidar com isso. Aqui você responde quais riscos precisam de tratamento? Qual a prioridade? Quais são as possíveis ações que posso tomar?

5 – Tratamento de Riscos

O que você decidiu na avaliação de riscos, aqui é o momento de agir, definitivamente. É o processo que você usará para modificar o risco. Considera probabilidade, consequência e estão ligados a estratégias como por exemplo: mitigar, prevenir, eliminar, etc.

6 – Comunicação e consulta

Processo contínuo e iterativo que fornece, compartilha ou obtém informações se envolvendo no diálogo com as Partes Interessadas. Ou seja, as informações certas devem estar sempre disponíveis para os interessados.

7 – Monitoramento e Análise Crítica

Monitoramento é um processo contínuo de verificação, supervisão, observação crítica ou identificação da situação para identificar mudanças. Importante saber aqui que a probabilidade e impacto do risco muda assim que você vai obtendo mais informações, ou seja, há mudanças no cenário. Imagine só, estou no escritório escrevendo esse artigo, qual a probabilidade de eu ser atropelada? Provavelmente baixa. Mas se eu te disser que passou 30min e eu levei meu notebook no meio da rua e continuei escrevendo meu artigo. A probabilidade de eu ser atropelada agora é muito maior que antes, certo?

O monitoramento deve ser contínuo, por isso não cometa o erro de imprimir seus riscos num papel, colar nos ambientes de trabalho e nunca mais revê-los. Muitas coisas podem mudar, e seu processo deve estar preparado para detectar essas mudanças.

A Análise Crítica é a atividade realizada para determinar a adequação, suficiência e eficácia do assunto em questão para atingir os objetivos. É quase uma apuração de resultados, mas avaliará o processo em si apontando melhorias e assim por diante. Você já deve estar acostumado com isso no seu sistema de gestão da Qualidade, não é?

O que é importante considerar: não significa que a partir de hoje você vai tentar encaixar um risco em qualquer lugar: alguns riscos importam, outros não. Mas esse é um assunto que vou falar no meu próximo artigo, onde ressalto alguns gatilhos para implantar uma Gestão de Riscos relevante para sua empresa.