Segurança no trabalho pode diminuir acidentes em 98%
4 hábitos para melhorar o rendimento no trabalho
Trabalho em altura: uso de equipamentos seguros e compatíveis às funções
Saúde no ambiente de trabalho: alergia
Prevenção é a principal maneira de combater a LER/DORT
Medicina do trabalho pode reduzir custos com plano de saúde
Veja as regras da lei que amplia para 20 dias a licença-paternidade
Perda auditiva relacionada ao trabalho
Você conhece a síndrome do esgotamento profissional?
Doenças ocupacionais poderiam ser evitadas pelos empregadores
Análise: vinculação do adicional de insalubridade ao salário
Acidentes de trajeto representam 20% dos acidentes de trabalho
Ignorar e-mails fora do horário de trabalho garante vida mais feliz e com menos estresse, dizem psicólogos
Segunda-feira é o dia campeão de horas extras no trabalho, diz pesquisa
As 10 profissões mais estressantes para 2016
Aposentadoria, seguro-desemprego, domésticos: direitos mudaram em 2015
Equipamentos de Proteção Individual
Portaria MTPS nº 116: Regulamenta a realização dos exames toxicológicos para motoristas previsto na CLT
Confissão do trabalhador não autoriza presunção de eficácia dos EPIs
Faça seus exames médicos na Realiza!
Comunicado de Férias Coletivas
Índices do FAP com vigência em 2016 estão disponíveis para consulta
Entenda o eSocial em 10 tópicos
A ISO 9001:2015 está publicada
Treinamento de Líderes de Segurança no cliente Motormac
Em perguntas e respostas, saiba o que é meningite e como se prevenir
eSOCIAL: Forma de prestar informações relativas aos trabalhadores será simplificada e começa a mudar a partir de setembro de 2016
Previdência: Medida Provisória nº 664/2014 é convertida na Lei nº 13.135/2015
A importância da Gestão de Riscos
eSocial - Esclarecimentos sobre o PPRA e PCMSO
Terceirização de serviços em condomínios: fique atento!
Auditorias: Tensão ou Solução?
A Importância da Psicoterapia
Plano de Recuperação de áreas degradadas – PRAD
Psicoterapia para Empresas
Programa de Avaliação de Exposição à Sobrecarga Térmica
O ciclo PDCA
Sistemas de Gestão
Dia Mundial da Qualidade
E-Social – O que é e o que muda na sua empresa?
A importância da medicina e segurança do trabalho preventiva
Revisão da norma ISO 9001:2015 - Principais alterações
Cuidamos da saúde do seu colaborador!
Os danos à saúde do trabalhador decorrentes da vibração ocupacional
Dia da Ação Voluntária Cyrela
Diferenças entre Insalubridade e Periculosidade
15 dicas para prevenir acidentes no trabalho
Por que o planejamento pessoal é importante?
A importância da Consultoria no âmbito dos negócios
A importância do uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual
Grupo realiza recebe recertificação na Norma ISO 9001
NOTÍCIAS

Diferenças entre Insalubridade e Periculosidade

03/09/2014

A legislação trabalhista protege, por meio de normas, todo trabalhador que executa suas funções em atividades insalubres ou perigosas, de forma a amenizar o impacto destas atividades na saúde do trabalhador.

São periculosas as atividades ou operações onde a natureza ou os seus métodos de trabalhos configure um contato com substancias inflamáveis ou explosivos, em condição de risco acentuada, como é o caso, por exemplo, de frentista de posto de combustível, operador em distribuidora de gás, entre outros.

São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem acima dos limites de tolerância previstos nos anexos à NR-15.

O art. 189 e 193 da CLT assim definem estas atividades:

  • Consideram-se atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos;
  • Consideram-se atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas, requererem ao Ministério do Trabalho a realização de perícia em estabelecimento ou setor específico, com o objetivo de caracterizar e classificar ou delimitar as atividades insalubres ou perigosas.

Nas perícias requeridas às Delegacias Regionais do Trabalho, uma vez comprovada a insalubridade, o perito do Ministério do Trabalho indicará o adicional devido, podendo ser, conforme art. 192 da CLT, de 10%, 20% ou de 40%.

Por sua vez, conforme dispõe o § 1º do art. 193 da CLT, o trabalho realizado em ambientes periculosos assegura ao empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.

Caso, por meio de perícia, se constate que a atividade exercida seja, concomitantemente, insalubre e perigosa, será facultado aos empregados que estão sujeitos à estas condições, optar pelo adicional que lhe for mais favorável, não podendo perceber, cumulativamente, ambos os adicionais.

Portanto, se em determinada atividade o perito indicar que há insalubridade em grau médio (20%) e periculosidade (30%), o empregado não terá direito a perceber, cumulativamente, (50%) de adicional, já que a legislação trabalhista faculta ao empregado o direito de optar pelo mais favorável, ou seja, o de periculosidade.

Esta opção, embora pareça ser óbvia quanto ao mais favorável (analisando os percentuais), não espelha a verdade quando analisamos a base de cálculo para a apuração do referido adicional.

É o caso, por exemplo, de se dizer que o empregado que exerça a  atividade em que há, simultaneamente, a insalubridade em grau máximo (40%) e a periculosidade, opte pelo adicional de insalubridade, por ter um percentual maior.

Considerando que a base de cálculo do adicional de insalubridade (frente a toda controvérsia gerada pela súmula vinculante nº 4 do STF) ainda é o salário mínimo, salvo disposição em contrário prevista em acordo ou convenção coletiva, e que a base de cálculo do adicional de periculosidade é o salário do empregado, a condição mais favorável poderá ser o de periculosidade, caso o salário do trabalhador seja consideravelmente superior ao salário mínimo.

Gostaria de saber mais? Entre em contato com um de nossos profissionais de Segurança do Trabalho: (51) 3224.0032.

Fonte: Guia Trabalhista